23 de julho de 2024

“UMA ARMA EM SI É INÚTIL SE NÃO SOUBER USA-LA” – O JUSTICEIRO

FICHA TÉCNICA:

Nome Original: The Punisher
Nome do Brasil: O Justiceiro
Gênero: Ação
Ano: 1989
Duração: 1h 33min
Direção: Mark Goldblatt
Roteiro: Boaz Yakin
Elenco Principal: Dolph Lundgren / Louis Gossett, Jr. / Kim Miyori
País de Produção: Estados Unidos

RESENHA (SEM SPOILERS):

A polícia está bem polvorosa,
devido a uma série de 125 assassinatos realizados.
Decidido a acabar com a onda de crimes,
Frank Castle toma a dianteira e passa a investigar o caso.
Castle é um ex-policial que está em busca de vingança
desde que sua esposa e filho foram assassinados,
tendo a partir de então se dedicado
a combater o crime nas ruas usando muitas armas.
Quando Castle acredita estar com a organização quase destruída,
ele passa a enfrentar um novo grupo criminoso,
que pretende ocupar o lugar vago.
O Justiceiro de 1989 é um bom entretenimento,
numa época em que filmes baseados em HQs
ainda não estava tão populares como hoje em dia.
Tem um ótimo roteiro, trilha sonora e boas cenas de ação,
e o ator Dolph Lundgren ficou muito bem como Frank Castle.
Confira!

Texto realizado ao som de Tina Turner – The Best

NOTAS E CURIOSIDADES:

Este é o 1º filme baseado no personagem
dos quadrinhos Justiceiro a chegar aos cinemas.
Depois dele veio O Justiceiro (2004),
e O Justiceiro: Em Zona de Guerra (2008),
e também teve uma série na Netiflix (2017).

O ator Dolph Lundgren realizou todas as suas cenas de ação
no filme, dispensando o trabalho dos dublês.

Inicialmente os atores Christopher Lambert e Steven Seagal
foram as primeiras escolhas do diretor para o papel do justiceiro.
Ambos recusaram, Lambert estava machucado na época,
e Seagal estava envolvidos em outros projetos.

Uma das coisas mais marcantes do personagem,
é o desenho da caveira que fica em seu peito.
Apesar disso, nesse filme o símbolo não foi utilizado,
pois o diretor achava que seria muito cômico para o filme.
Mas tarde, ele admitiu que não usar o símbolo foi um erro.

O Justiceiro foi banido na África do Sul
na época de seu lançamento nos cinemas,
tendo sido apenas lançado no país dois anos depois,
em vídeo.

SFC – Onde quase todo dia é Sexta-feira!