13 de abril de 2024

“DURANTE NOVENTA MINUTOS, SÃO ONZE BÁRBAROS CONTRA ONZE BÁRBAROS” – A PÁTRIA DE CHUTEIRAS

FICHA TÉCNICA:

Titulo: A pátria de chuteiras
Título Original: A pátria de chuteiras
Autor: Nelson Rodrigues
Gênero: Crônicas / contos
Editora: Nova Fronteira
Publicação: Original 2012
Número de Páginas: 144 páginas

RESENHA (SEM SPOILERS):

Quando se fala o nome Nelson Rodrigues
já imaginamos o autor das histórias que desnudam
o ser humano em sua maneira mais sórdida,
em títulos como “A vida como ela é”, “Engraçadinha”,
“Bonitinha mas ordinária” e outras obras do gênero.
Com este livro não é diferente, mas o pano de fundo para as histórias
é a maior paixão do povo brasileiro, o futebol.
Nelson Rodrigues, que foi cronista de futebol, critica nestas páginas
o “complexo de Vira-latas” do Brasileiro,
que vive se menosprezando minimizando a capacidade, a sua criatividade.
Segundo o autor, o brasileiro tem vergonha de ter sucesso,
e se coloca em posição de inferioridade em relação ao resto do mundo,
e é o que ele prova nas crônicas deste livro,
retiradas das colunas esportivas onde escrevia.
Nas histórias do dia a dia Nelson vai mostrando o que o brasileiro tem de melhor,
a molecagem, a criatividade e a garra.
esse movimento chamado de Viralatismo
teria surgido após a derrota do Brasil na copa de 1950 pelo Uruguai
e não dizia respeito somente (mas principalmente) ao futebol.
Tanto que em 1958 com a primeira vitória em uma copa do mundo
e as vitórias que se seguiriam o brasil
começou a ver a sua auto estima escalando novamente.
Nestes textos vemos um Nelson otimista e profundamente irritado com o derrotismo,
e ele não poupa a sua crítica e humor em cima dos pessimistas.

Resenha escrita ao som de Dr. Sin – Futebol, Mulher & Rock’n Roll

NOTAS E CURIOSIDADES:

Existem mais coletâneas do autor sobre futebol, como “A pátria em chuteiras”,
“À sombra das chuteiras imortais”, “Fla-Flu…e as multidões despertaram”,
“Brasil em campo” e outros

Nelson Rodrigues fez os 13 pontos na loteria esportiva em um bolão, no dia do enterro dele.

SFC – Onde quase todo dia é Sexta-feira!